28 de fev de 2011

POEMA DA RUA MORTA

28 de fev de 2011
.
Do eremitário da esquina
Talvez se possa presumir
Que a rua toda ali termina
Porque cansou de resistir.
.
É tudo ermo, quieto e ermo
Como cantigas de embalo;
Que banha as faces do enfermo
E assim crê que vá salva-lo.
.
E é nesta mesma quietude
Que para a rua sobrevém
A mesma falta de sáude
Banhando as faces que ela tem.
.
FTO

0 comentários: