10 de set de 2011

DANÇA DO VENTRE

10 de set de 2011
.
As mãos se perdem na curva
Da silhueta inconstante
Que a luz opaca e turva
De um nada faz resultante.
.
E o corpo arqueado e leve
Balbucia quieto, traduz
Insinua, mostra e descreve
O quanto dele é a luz.
.
E assim é que ela alcança
O algo além de esposa
Pois não é corpo, nem dança
E sequer é nada ou coisa.
.
FTO

1 comentários:

Silvana disse...

Oi, Ana, faz tempo você me convidou pra conhecer o blog do Francisco e seu. Conheci, gostei, mas não comentei.
Hoje aproveito pra comentar que a união de vocês foi um casamento perfeito de poesia visual e escrita.
Parabéns pros dois, excelentes trabalhos!